Comprometido com a distribuição de Bíblias em países em desenvolvimento

Qual é o verdadeiro Evangelho?

Qual foi o evangelho que Jesus
pregou?  Teria Paulo pregado um evangelho
diferente aos gentios?  Eis aqui, finalmente, a
verdade clara sobre o reino de Deus.

Texto original de Herbert W. Armstrong (1892-1986)


POR que existe hoje tanta confusão e perplexidade em todos os aspectos da vida?  Indicar a solução deveria ser a função da religião.  Contudo, aí também, só encontramos confusão de linguagens, isto é, uma babilônia de centenas de confissões e seitas religiosas, que divergem entre si.

Mesmo na chamada religião cristã, do mundo ocidental, encontramos numerosas seitas e denominações que pregam uma variedade de evangelhos!  Algumas denominam o seu evangelho como sendo “o Evangelho de Jesus Cristo”.  Outras, “o Evangelho da Salvação”.  Existem ainda as que professam” o Evangelho do Reino”, e outras, o “Evangelho da Graça”.  Mais recentemente florescem as que pregam o moderno “Evangelho Social” e outras, “a Mensagem de Israel”.

Por que se desviaram do único e verdadeiro Evangelho que Deus enviou por intermédio de Jesus Cristo?

Quantos evangelhos existem?
Faz alguma diferença sabermos em qual evangelho acreditamos?  Atente para a resposta do Deus Eterno, na carta inspirada de Paulo aos Gálatas, capítulo 1, versículos 8 e 9:

“Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos tenho anunciado, seja anátema.” Há aqui uma dupla maldição, porque o versículo seguinte declara:  “Assim como já vo-lo dissemos, agora de novo também vo-lo digo. Se alguém vos anuncia outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema.”

Por que então o mundo perdeu de vista esse Evangelho?  Por que as pessoas crêem em diferentes evangelhos nos dias de hoje?

Esta é uma situação pasmosa e incrível que deveria abalar a nossa indiferença.  Nossa eternidade está em jogo, e precimsamos ver que este não é um assunto inconseqüente e sem importância!

Jesus Cristo disse que é indispensável crer no Evangelho para ser salvo.  Contudo, atualmente, centenas e milhões de pessoas não conhecem o que é em realidade esse Evangelho.

Foi esta a missão que Jesus deu aos Seus apóstolos, ao enviá-los como Seus ministros para edificarem a Sua Igreja:  “Ide por todo o mundo, pregai o evangelho.”  Eles deviam, pois, pregar o Evangelho.

Jesus logo acrescentou:  “Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado?” (Mc 16:16).

Notemos que Jesus disse:  “Quem crer”.  Crer em quê?  No que pregavam, naturalmente – isto é no Evangelho.  Não em um evangelho!  Não em qualquer evangelho, mas no Evangelho!

Sob a autoridade de Jesus Cristo, devemos, pois, crer exatamente no mesmo Evangelho para sermos salvos.  E para crer neste verdadeiro Evangelho, é-nos necessario saber o que ele representa!

Mas, de onde veio o Evangelho?  A quem foi enviado?  De quem partiu essa mensagem?  De Cristo?  Não, de Cristo não!

A mensagem enviada do céu
Deus Pai prometera enviar ao mundo um mensageiro do céu que seria portador de uma mensagem dEle.

“Eis que eu envio o meu anjo [mensageiro] que preparará o caminho diante de mim” declara o Eterno em Malaquias 3:1.  (Esse mensageiro, descrito em Marcos 1:2, foi João Batista, que preparou o caminho diante de Jesus Cristo.) “E de repente virá ao seu templo o Senhor, a quem vós huscais, o anjo [mensageiro] do concerto, a quem vós desejais.”

No capítulo 10 de Atos está o primeiro sermão mediante o qual Deus permitiu que o Evangelho fosse pregado aos gentios, quando Pedro foi enviado à casa de Cornélio, o qual nos dá direções muito explícitas para localizar o único Evangelho verdadeiro.  Abra sua própria Biblia em Atos 10:36-37.  Quero que veja isto com seus próprios olhos.  Eis aqui o que diz o inspirado Pedro:  “A palavra que ele enviou aos filhos de Israel, anunciando a paz por Jesus Cristo (este é o Senhor de todos); esta palavra, vós bem sabeis, veio por toda a Judéia, começando pela Galiléia, depois do batismo que João pregou.”

Qual foi o Evangelho que Jesus pregou?
Note bem os pontos seguintes:

1)  De quem partiu esta mensagem, isto é este Evangelho?  Pedro disse:  “A palavra que ele [Deus] enviou”.

2)  A quem foi ela enviada?  Pedro continua:  “… aos filhos de Israel.”  Ainda que naquela ocasião, dez anos mais tarde, esse mesmo Evangelho se tornasse acessível aos gentios de todas as nações, foi enviado inicialmente aos filhos de Israel, por Deus Pai.  Não teve origem em Jesus Cristo, em Pedro ou em Paulo.  Esta mensagem foi enviada por Deus, o Pai de Jesus Cristo!

3)  Por meio de quem foi enviada?  Que Mensageiro divino trouxe e pregou esta mensagem?  Responde-nos Pedro:  “Por Jesus Cristo”.  Jesus Cristo foi o Mensa-geiro divino.  Malaquias chama-O o Anjo (Mensageiro) da Aliança.  Portanto, essa mensagem é a mensagem da nova Aliança, porque assim como Moíses foi o mediador da Antiga Aliança, Jesus Cristo é o Mediador da Nova Aliança, conforme está comprovado em numerosos textos bíblicos.  Esta mensagem é, pois, o Evangelho do Novo Testamento.

4)  Onde foi este Evangelho pregado primeiro?  Em que localidade?  Pedro disse:  “Começando pela Galiléia ….” Com efeito, foi em primeiro lugar pregado na Galiléia, não em Jerusalém!

Quando começou Jesus a pregar este Evangelho na Galiléia?  “Depois do batismo que João pregou”.  O verdadeiro Evangelho da Nova Aliança, então, não começou com João Batista, mas somente após ter ele completado o seu ministério batismal.

Todas estas indicações precisas levam-nos ao primeiro capítulo de Marcos, cujo primeiro versículo nos diz que este é o princípio do Evangelho de Jesus Cristo, descrevendo-nos em seguida o ministério batismal de João.  Este não pregou o Evangelho, mas “o batismo do arrependimento” que preparou o caminho para o Evangelho que o Deus vivo mandou por Jesus Cristo.

Vejamos agora os versículos 14 e 15 deste mesmo capítulo:

“E, depois que João foi entregue à prisão” – eis o momento exato em que começa a pregação do verdadeiro Evangelho – “veio Jesus [o Mensageiro divino enviado por Deus] para a Galiléia”, o lugar geográfico específico já indicado.  Assim, pois, conhecemos o momento, os habitantes (os israelitas a quem Deus enviou a mensagem) o lugar e o Mensageiro.  Portanto, o que Jesus pregou na Galiléia foi o único e verdadeiro Evangelho.

É isso, aliás, o que lemos em Marcos 1:14-15:  “Veio Jesus para a Galiéia, pregando o Evangelho do reino de Deus, e dizendo:  O tempo está cumprido, e o reino de Deus está próximo. Arrependei-vos, e crede no Evangelho.”

Notemos o que Jesus declarou:  “Crede no Evangelho!”

Qual evangelho?  O único que Ele proclama – “o Evangelho do reino de Deus”.

Contudo, alguém pode perguntar:  “Não precisamos crer em Jesus?”

Claro que sim; outras escrituras ensinam isso.  Mas nessa ocasião Jesus disse que devíamos acreditar no que Ele estava dizendo – acreditar ou crer no Evangelho do reino de Deus!

Alguns creram em Jesus, mas não aceitaram o que Ele disse (ver João 7:31; 8:30, 31, 46).

E que dizer do Evangelho de Jesus Cristo?

Mas se o único e verdadeiro Evangelho é o Evangelho do reino de Deus, o que é então o Evangelho de Jesus Cristo?  Será um evangelho falso?

De modo algum!  O Evangelho de Jesus Cristo é o Evangelho que Ele trouxe como Mensageiro divino – o mesmo Evangelho que Ele declarou ser o Evangelho do reino de Deus.

O Evangelho de Jesus Cristo não é o evangelho dos homens acerca da pessoa de Cristo.  É o Evangelho de Cristo, o Evangelho que Jesus pregou, o Evangelho que Deus enviou por Ele, e que, portanto, também é chamado, nas Escrituras, o Evangelho de Deus – a Sua mensagem – Suas Boas Novas que Ele enviou por meio de Jesus.

O Evangelho é também de Jesus Cristo – o Evangelho que Cristo trouxe de Deus – o Evangelho proclamado por Ele.

Hoje em dia, ouvimos muito o evangelho dos homens sobre a pessoa de Jesus Cristo, uma mensagem que se restringe aos acontencimentos relacionados com Ele, ou fatos sobre Sua pessoa.  Como resultado, milhões de pessoas crêem que Ele é o Cristo, mas não crêem no que Ele disse:  no Evangelho de Cristo, que é a Sua mensagem!

Contudo, esta mensgaem não veio dEle, mas de Seu Pai que O enviara, como Ele mesmo afirmou.  Em João 12:49-50, Jesus disse:  “Porque eu não tenho falado de mim mesmo; mas o Pai, que me enviou, ele me deu mandamento sobre o que hei de dizer e sobre o que hei de falar. E sei que o seu mandamento é a vida eterna. Portanto, o que eu falo, falo-o como o Pai mo tem dito.”

Com efeito, o Pai enviou Jesus com a mensagem das Boas Novas do reino de Deus.  Jesus é o Porta-Voz, a Palavra que se fez carne, viveu e ensinou sobre a terra.  Em João 14:24, Jesus disse:  “A palavra que ouvistes não é minha, mas do Pai que me enviou.”

A religião do Antigo Testamneto e o Evangelho do Novo estão ambos descritos em Lucas 16:16:  “A lei e os profetas duraram até João:  desde então é anunciado o reino de Deus”.

O que é o reino de Deus?
Na atual confusão religiosa, há pessoas que acreditam que o Evangelho do reino de Deus não se destina à nossa época – do tempo da graça do Novo Testamento.  Rejeitam-no, e por conseguinte não crêem no verdadeiro Evangelho ordenado por Jesus Cristo, daí rejeitando as condições para a salvação, dizendo ser o Evangelho do reino um Evangelho destinado a uma época ainda por vir.  Contudo peço ao leitor, como Paulo pediu aos tessalonicenses, que não seja ignorante acerca do único Evangelho que pode nos trazer a vida eterna!

Houve um tempo determinado para o início do Evangelho – desde João.  A lei e os profetas foram até João.  Desde o ministério preparatório de João, o reino de Deus está sendo pregado.  Houve também um tempo determinado para assinalar o princípio deste verdadeiro Evangelho do Novo Testamento.  Após o encarcera-mento de João, Jesus veio para a Galiléia, pregando o Evangelho e dizendo:  “O tempo está cumprido.”

E portanto, que Evangelho é esse?
A palavra “evangelho” vem do grego e significa:  “boas notícias” ou “boas novas”.  No mundo atual, agitado e caótico, todos os dias ouvimos notícias que são, de um modo geral, más.  E, por conseguinte, a melhor notícia que o leitor poderia ouvir neste, ou em qualquer outro momento, seria a Boa Nova do reino de Deus.

Mas o que é um reino?  Primeira e principalmente é um governo, que governa a nação.  No sentido bíblico, o termo “nação” tem um significado duplo:  a nação (composta de todos os seus súbtidos ou cidadãos), e o governo que a administra.  Segundo a terminologia bíblica, um reino é uma família que surgiu de um só casal, tornando-se numa nação.

Quatro elementos são necessários para constituir um reino:

1)  Um território, com a sua localização determinada e suas fronteiras bem definidas, com

2)  Um rei ou Regente Supremo para governar sobre os

3)  Súbditos ou cidadãos que habitam nesse território de acordo com as

4)  Leis e forma de governo.

Se deixamos de lado um só destes requisitos vitais, não possuímos nem podemos acreditar no verdadeiro Evangelho para esta época.

Precisamos saber se o reino de Deus já está aqui, ou se virá mais tarde; se em verdade seu território é a terra, ou o céu; se é um reino literal integrado por seres mortais ou imortais.  E, por fim, deveremos saber se é literal ou figurativo, real ou fictício.  E concernente a estes conceitos, a maior parte das pessoas está de todo confudida!

Que dizer, pois, do Evangelho da graça, o Evangelho de salvação?

Nascidos no reino
Veja, no capítulo 3 de João, o que Jesus disse a Nicodemos quando este O procurou secretamente:  “Na verdade, na verdade, te digo que aquele que nas nascer de novo, não poder ver o reino de Deus.”

Jesus proclamava o reino de Deus, ao explicar uma das suas fases mais importantes.  Precisamente como Paulo escreveu à Igreja de Corinto (1 Co 15), carne e sangue, isto é, um ente humano, um ser mortal, não pode entrar no reino de Deus.  A Igreja, portanto, não pode ser o reino de Deus pois é composta de seres mortais de carne e osso.  Também o reino não é algo etéreo, alojado “nos corações dos homens”.

Jesus explicou em seguida a Nicodemos que nós somos carne, exatamente carne e sangue mortais.  Nascemos dessa forma, humanos – mortais.  Mas é-nos possível nascer de novo, da próxima vez, não como criancinhas compostas de carne e sangue, mas nascidos do espírito.  Então seremos espírito, ou compostos de espírito!

No capítulo 4 de João, lemos que Deus é espírito.  O reino de Deus é composto dos nascidos de Deus.  E como explico em outros livretos, Deus não é uma só pessoa.  A palavra hebraica para Deus é “Elohim” que apresenta Deus como uma família de pessoas:  uma só família, ou reino, mas composto de mais de uma pessoa.

Neste mundo, temos o reino mineral, o reino vegetal e o reino animal.  A Bíblia nos revela que há também um reino de anjos, criados por Deus e compostos de espírito, não de matéria.  Mas, bem acima de todos eles, encontra-se o reino criador, isto é, o reino de Deus.  Deus está reproduzindo-se a Si mesmo!  Ele criou o homem à Sua imagem, para que o homem pudesse ser gerado pelo próprio Espírito de Deus, e então, por uma ressurreição, nascer como um ser imortal, composto de espírito, no reino de Deus.

O apostolo Paulo explica claramente, na sua primeria epístola aos Coríntios, que embora a carne e o sangue não possam herdar, ou entrar, no reino de Deus, o mortal se revestirá de imortalidade pela ressurreição, se antes tiver sido gerado pelo Espírito Santo de Deus.  Os ressuscitados serão como o próprio Deus, imortais e incorruptíveis, literalmente nascidos do Espírito de Deus dentro da própria família divina.  (Escreva-nos pedindo os livretos Por que você nasceu?  e Que significa “nascer de novo”?)

As condições de entrada
Como podemos entrar, então, neste glorioso reino?  Jesus veio pregando o Evangelho do reino de Deus, dizendo:  “Arrependei-vos” e “crede no Evangelho”!

Devemos fazer duas coisas:  Arrepender-nos e crer no Evangelho.  Precisamos “crer no Evangelho”, o que significa necessariamente crer também em Jesus Cristo, o Rei do reino de Deus, o futuro Rei dos reis que reinará sobre todas as famílias da terra.  Isso significa que devemos crer nEle como nosso Salvador pessoal, como nosso Sumo Sacerdote atual e como nosso futuro Rei.

Mas “arrepender-se” significa uma transformação completa da mente com respeito ao pecado; ora, nós sabemos que o pecado é a transgressão da lei divina pela qual Deus governa o reino (1 João 3:4 – Nota do editor:  na Edição Revista e Atualizada no Brasil que tem a expressão “transgressão da lei”).  O arrependimento significa uma mudança total e completa de mente e de vida.  Significa que nos arrependemos de ter transgredido o governo, a vontade e as leis de Deus.

Que disse Jesus ao jovem rico que Lhe perguntou o que devia fazer para entrar na vida eterna?  Disse-lhe Jesus:  “Se queres, porém, entrar na vida, guarda os mandamentos” (Mt 19:17).

E logo, Ele fez alusão aos Dez Mandamentos, mostrando que constituem a grande lei espiritual de Deus, que resume as regras de comportamento que nos permitem levar uma vida reta.  Ela regula o modo de viver contrário à natureza humana e oposto aos caminhos e costumes deste mundo!  É a lei espiritual básica e o caminho de vida do reino de Deus – o caminho que conduz à paz mundial, à felicidade, à prosperidade e à alegria.  Em suma, representa o caminho para a vida eterna.

O reino de Deus deve ser proclamado HOJE
Sim, Jesus Cristo proclamou e ensinou o evangelho do reino de Deus.  Mas, para edificar a Sua Igreja, ordenou Ele aos Seus ministros que pregassem este mesmo Evangelho?  Examinemos, pois, rapidamente, as Escrituras.

Lucas 9:1-2:  “E, convocando os seus doze discípulos … enviou-os a pregar o reino de Deus.”

Lucas 10:1-9:  “E, depois disto designou o Senhor ainda outros setenta, e mandou-os adiante da sua face, de dois em dois, a todas a cidades e lugares aonde ele havia de ir. E dizia-lhes … curai os enfermos que nela houver, e dizei-lhes:  É chegado a vós o reino de Deus.”

Na Sua oração, comumente chamada “a oração modelo” ou “o Pai nosso”, Jesus disse:  “Venha o teu reino”.  Então, esse reino não estava ainda sobre a terra.  E ainda hoje não está.  Mas Jesus nos ensina a orar para que o Seu reino venha, porque este é o único reino que trará a paz e a felicidade a este mundo enfermo pelo pecado e enfastiado de guerras.  “Venha o teu reino; seja feita a tua vontade assim na terra como no céu”.  Jesus Se refere aqui à vontade do Pai.

Que evangelho pregaram os primeiros evangelistas ao anunciar a “fé que uma vez foi dada aos santos”?  Como desempenhou a Igreja primitiva esta missão?

Veja como Filipe pregou em Samaria (Atos 8:12):  “Mas, como cressem em Filipe, que lhes pregava acerca do reino de Deus, e do nome de Jesus Cristo, se batizavam, tanto homens como mulheres.” Filipe pregava as boas novas do reino de Deus!

E o que pregou Paulo?  Atos 20:25, 21:  “Todos vós, por quem passei pregando o reino de Deus … testificando tanto aos judeus como aos gregos, a conversão a Deus e a fé em nosso Senhor Jesus Cristo.”

E veja também o Evangelho que Paulo pregou aos gentios, depois de ter se afastado dos judeus (Atos 28:30-31):  “E Paulo ficou dois anos inteiros na sua própria habitação que alugara, e recebia todos quantos vinham vê-lo, pregando o reino de Deus, e ensinando com toda a liberdade as coisas pertencentes ao Senhor Jesus Cristo, sem impedimento algum.”

E, por fim, que evangelho, segundo Jesus, seria pregado nos dias de hoje?

Em Mateus 24:14, Ele está falando do tempo presente:  “E este evangelho do reino será pregado em todo o mundo, em testemunho [notar que é; em testemunho] a todas as gentes, e então virá o fim” (o fim da presente civilização).

O evangelho – a única solução para os problemas mundiais

Está a caminho um governo de âmbito mundial, único e todo-poderoso, com capacidade para equacionar com imparcialidade e justiça os problemas de todos os povos.  Naturalmente os cientistas dizem que um governo deste tipo é impossivel.  Contudo a revelação bíblica diz que não é impossivel – mas que, em realidade, já está a caminho – e chegará em nossos dias.

Já é tempo de que alguém levante sua voz e fale claramente, e anuncie aos povos que o próprio Evangelho de Jesus Cristo constituía a proclamação antecipada desse mesmo governo mundial – um governo não motivado pelas ambições dos homens, mas exercido pelo Deus vivo e Todo-poderoso.

A mensagem de Jesus Cristo – o Seu Evangelho – era o reino de Deus, o governo do Deus vivo!

Jesus Cristo nasceu para ser Rei (Lc 1:31-33).  Quando Jesus estava sendo julgado por Pilatos, este lhe dise:  “Logo tu és rei?” Jesus respondeu:  “Tu dizes que eu sou rei. Eu para isso nasci, e para isso vim ao mundo …” (João 18:37).  Jesus acabara de dizer a Pilatos:  “O meu reino não é deste mundo; se o meu reino fosse deste mundo, pelejariam os meus servos, para que não fosse entregue aos judeus; mas agora o meu reino não é daqui [isto é, não é desta época, mas do mundo de amanhã]” (João 18:36).

Jesus virá com supremo poder e glória.  Notemos a descrição deste acontecimento.  “Então aparecerá no céu o sinal do Filho do homem; e todas as tribos da terra se lamentarão, e verão o Filho do homem, vindo sobrte as nuvens do céu, com poder e grande glória” (Mt 24:30).

Ele virá para estabelecer o governo de Deus e governar todas as nações com a ajuda dos que se qualificarem nesta vida.  Apocalipse 3:21 é uma citação de Cristo dizendo:  “Ao que vencer lhe concederei que se assente comigo no meu trono; assim como eu venci, e me assentei com meu Pai no seu trono.” E de novo:  “E ao que vencer, e guardar até ao fim as minhas ohras, eu lhe darei poder sobre as nações, e com vara de ferro as regerá; e serão quebradas com vasos de oleiro, como também recebi de meu Pai” (Ap 2:26-27).

Jesus é o Messias.  Notemos a profecia de Isaias acerca do futuro governo do Messias:  “Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; e o principado está sobre os seus obros … Do incremento deste principado e da paz não haverá fim, sobre o trono de Davi e no seu reino, para o firmar e o fortificar em juízo e em justiça, desde agora para sempre” (Is 9:6-7).

Miquéias predisse esse tempo quando disse:  “Mas nos últimos dias acontecerá que o monte da casa do Senhor será estabelicido no cume dos montes, e se elevara; sobre os outeiros, e concorrerão a ele os povos.  E irão muitas nações, e dirão: Vinde, e subamos ao monte do Senhor, e à casa do Deus de Jacó, para que nos ensine os seus caminhos, e nós andemos pelas suas veredas; porque de Sião sairá a lei, e a palavra do Senhor de Jerusalem.  E julgará entre muitos povos, e castigará poderosoas nações até mui longe, e converterão as suas espadas em enxadas, e as suas lanças em foices: e uma nação não levantará a espada contra outra nação, e não aprenderão mais a guerra” (Mq 4:1-3).

Quando o Messias voltar com todo o poder de Deus, teremos paz mundial, com felicidade, alegria, prosperidade – e um mundo transformado recebendo por herança vida eterna.

Esse é o verdadeiro Evangelho proclamado através das publicações da Igreja de Deus – “em todo o mundo”.  ƒb
___________________________________________________________________________________________
TERMO DE ISENÇÃO DE RESPONSABILIDADE

Através deste site da Internet, você pode se conectar a outros sites que não estão sob o controle do Fundo Bíblico.  Além disso, podemos nos referir a outras fontes na Internet.  A inclusão de links não significa necessariamente uma recomendação ou um endosso das opiniões expressas nos referidos sites.

Nossa política se baseia no princípio dado por Jesus Cristo quando Ele disse a Seus discípulos:  “E, indo, pregai, dizendo: É chegado o reino dos céus…. de graça recebestes, de graça dai” (Mateus 10:7-8).  Os leitores podem baixar artigos do site do Fundo Bíblico.  Se fizerem isso, solicitamos àqueles que usarem nossos artigos em outros lugares, que por favor incluam o nome, endereço e o termo de isenção de responsabilidade que pode ser visto no final dos nossos artigos.

Honramos, também, o princípio enunciado pelo próprio Cristo:  “Pois quem não é contra nós é a nosso favor” (Marcos 9:40).

Por favor, respeite nossa política de não vender nenhum material colocado no nosso site.

Se alguém perceber que algum material nosso está sendo usado em outros sites, poderá verificar sua fidelidade em relação ao original, comparando-o com o material no nosso site.

_____________________________________________________________________________________________

Uma publicação do Fundo Bíblico,
distribuída gratuitamente

Enviem os pedidos de literatura a:

Jean Marcelo da Silva O Fundo Bíblico
Caixa Postal 12 Caixa Postal 154
59380-000 Currais Novos – RN Lubango
B R A S I L A N G O L A